Condomínios costumam funcionar com sistemas de gás encanado. Entretanto, alguns condomínios ainda não contam com a individualização de gás, o que pode representar um problema para alguns usuários e injustiça na conta. O sistema de gás não individualizado pode soar como um ônus para usuários que costumam ter baixo consumo.

Isso porque, o montante consumido pelo condomínio, se divide então entre todos os usuários, que pagarão um valor fixo, normalmente incluído na fatura do condomínio. Assim, se o seu vizinho consumiu o equivalente a R$90 em gás e você, apenas R$10, vocês pagam R$50 cada um, por exemplo. Daí a tendência (e por que não dizer necessidade?) dos sistemas individualizados.

Mudou-se para um condomínio e não tem gás individualizado? Está interessado em saber se seu prédio é passível da individualização de gás? Então leia esse artigo até o fim.

Os temas que iremos abordar nesse artigo são:

É obrigatório o gás ser individualizado?

Primeiro passo na individualização do gás: saber como foi tubulado seu prédio.

Instalação de medidores em redes individuais

Instalação de medidores em sistema rateado

Qual o custo médio de instalação do medidor?

Qual o profissional habilitado para instalar o medidor no meu prédio?

Conclusão

Qual a diferença entre os sistemas de gás coletivo e individualizado?

Sistemas de gás encanado são muito similares entre si. Normalmente, o fluído empregado é o GLP (gás liquefeito de petróleo) – o gás natural é mais comum em tubulações em vias públicas. O GLP normalmente vem envasado em cilindros específicos, que ficam na central de gás do condomínio em questão. Trata-se de um local onde os cilindros se armazenam, em segurança, longe de fontes de calor ou tóxicos.

A partir da central, o gás flui por tubulações, que o levam até os usuários. Até aí os sistemas individuais e coletivos se assemelham. Entretanto, no caso do sistema coletivo, a tubulação leva o fluído até um único registro, instalado em cada prédio. Assim, se o condomínio conta com 3 edifícios, o gás será conduzido a um registro em cada um (ou mesmo um único para os três). A partir daí, há também as tubulações que conduzem aos apartamentos, mas não há mais registros. Elas apenas encaminham o gás aos usuários e a medição é feita nessa única peça.

Nesse modelo, não é possível saber quanto cada usuário consumiu, apenas o montante, que é rateado na conta. Já no modelo individualizado, as tubulações que saem da central conduzem a cada apartamento, onde há um medidor individual. Assim, o consumo registrado é de cada usuário, e a cobrança se torna mais justa, portanto.  

É obrigatório o gás ser individualizado?

Respondendo de maneira direta: não! A norma NBR 15526 possui parâmetro para instalação do gás rateado e do gás individual. Geralmente, as construtoras optam em realizar o gás rateado com objetivo de reduzir os custos da obra, já que, nesse sistema, uma tubulação alimenta a todos os equipamentos, ao passo que no sistema individual, é necessário instalar, após os medidores, uma tubulação por apartamento.

Aliás, há algum tempo, esse era o modelo mais empregado nas construções. Entretanto, o maior problema é a cobrança. Usuários que consomem pouco normalmente são os que mais se sentem injustiçados, em especial quando a conta vem alta. Por essa razão, há muitos locais onde o gás é rateado que estão buscando a individualização.

Primeiro passo na individualização do gás: saber como seu prédio foi tubulado 

Existem duas maneiras de instalar o sistema de gás no prédio, ou o gás é rateado ou é individual.

Gás rateado

No sistema de gás rateado, uma única tubulação sai do cilindro de gás, e geralmente no “pé” das prumadas, se colocam reguladores para redução da pressão conforme foto abaixo:

gás rateado

A quantidade consumida é então registrada de uma só vez, gerando uma única fatura, que será rateada igualmente entre todos os usuários.

Gás individual

O gás individual permite algumas maneiras distintas de tubular o sistema de gás. Seriam elas:

1 Opção- Prevendo a colocação dos medidores em uma área comum. Geralmente no térreo ou garagem, as construtoras deixam uma previsão com reguladores para que sejam instalados os medidores.

medidores de gás

Veja na foto a seta vermelha, que mostra como seria essa previsão para colocar os medidores.

2 Opção – Prevendo os medidores nos andares. Nessa opção, eles devem ser protegidos com abrigo e possuir uma ventilação de exaustão permanente, exigida por norma conforme ilustração abaixo:

individualização de gás

Instalação de medidor em redes individuais

Esse modo de instalar a tubulação de gás é a que mais facilita a individualização de gás. Geralmente, é necessário somente o medidor e peças de adaptação (porcas, tubo flexível, etc….). Mas o ideal é se avalie cada sistema individualmente e com cuidado, e adaptado conforme necessidade.

OBS: É de extrema importância verificar se foi deixado pelo construtor a previsão com regulador, abaixo um exemplo dessa peça:

Foto sem regulador

tubos de gás com espera para medidor

Foto com regulador:

regulador de gás

Outro ponto importante é verificar os equipamentos que utilizam gás no apartamento. Isso vai determinar a vazão de trabalho do medidor de gás  e seu modelo.

Instalação de medidores em sistema rateado

Em sistemas de gás rateado, essa opção é mais complicada. É possível fazer a individualização de gás, mas não é tão fácil, pois não foi previsto inicialmente essa alternativa.

Realizar um projeto de gás residencial com medidores individuais é uma situação. Precisar adaptar um sistema rateado já existente demanda mais trabalho, já que, além de instalar os medidores, pode ser necessário fazer alterações em todo o sistema, e acrescentar tubos que levam o gás a cada destino individual.

As maneiras possíveis de individualizar são:

1- Colocar medidores no pilotis ou garagem e fazer novas redes aparentes na fachada e dentro dos apartamentos até o fogão conforme foto abaixo:

tubulação de gás aparente

2- Instalar uma caixa com medidor dentro do apartamento e fazer a leitura por telemetria, lembrando que essa caixa deve ter uma saída ventilada para fachada.

medidor de gás com telemetria

Há casos nos quais a individualização não é possível?

Se você é responsável por um empreendimento com gás rateado, essa dúvida pode vir como uma grande preocupação. A boa notícia é que ela pode ser respondida com uma única palavra: não! Sempre é possível individualizar o sistema de gás encanado. Entretanto, como dissemos, alguns casos podem ser mais complicados, demandar mais modificações que outros. Em termos gerais, não se trata de uma mera mudança na tubulação: é preciso alterar o projeto, em sua origem.

Essas diferenças singulares vão impactar tanto nos custos do trabalho quanto na duração. Os resultados dependem exclusivamente do serviço contratado. É por isso que é importante contar com profissionais que tenham conhecimentos para desenvolver qualquer trabalho nesse sentido. Uma empresa séria entrega resultados efetivos e seguros, em forma de um sistema testado, assinado e em perfeitas condições de funcionamento.

Qual o custo médio da individualização de gás ?

Caso seja necessário somente o medidor, o custo médio é de R$ 490,00 com a mão de obra. Mas, como dissemos, em alguns casos podem ser necessárias mais modificações no sistema. Dessa forma, para outras formas de instalação, é necessária a visita de nossa engenharia para levantamento (custo estimado por apartamento em sistemas de gás rateado ~ R$ 2.000,00 ). Uma vez avaliado o sistema e determinadas todas as modificações necessárias, é possível realizar um orçamento, alterar o projeto inicial do gás e transformar a nova instalação.

Qual o profissional habilitado para instalar o medidor no seu prédio?

A individualização de gás é um processo que demanda cuidados, já que vazamentos por erros na instalação do sistema podem causar acidentes graves, colocando em risco a vida e a integridade de todos os usuários. Portanto, a instalação deve ser feita por um profissional qualificado (com treinamento nesse segmento) e supervisionado por um profissional habilitado com registro no CREA – Conselho Regional de Engenharia e Agronomia, da sua região (engenheiro mecânico).

É por isso que, ao contratar uma empresa para fazer a individualização de gás em seu condomínio, é importante verificar se a mesma é registrada no CREA e se, de fato, há pelo menos um engenheiro responsável no quadro de funcionários. É importante levar em conta também a experiência da empresa no mercado e suas referências. Vale lembrar ainda que, ainda que haja profissionais autônomos no mercado, a melhor opção é contratar uma empresa, que conta com toda uma equipe pronta para atendê-lo.

Vantagens da individualização de gás

A individualização de gás em apartamentos traz inúmeras vantagens para o consumidor e para os condomínios. Para o cliente, a principal delas é o pagamento justo pelo consumo real do seu apartamento, o que acarreta em uma redução de até 30% na conta de gás. Isso significa que o investimento no serviço de individualização retornará rapidamente para o condomínio.  

Também, sabendo que cada um pagará pelo seu consumo, as pessoas se tornam mais conscientes e se organizam melhor nesse sentido. Ninguém vai desperdiçar contando simplesmente com o bônus de “não pagar sozinho”. Outra vantagem é o controle de consumo. Muitas vezes, discrepâncias podem mostrar indícios de problemas de vazamento (apesar que somente o teste de estanqueidade é um meio seguro de detectar vazamentos, conforme NBR 15526). Isso sem contar que o sistema individual dificulta a ocorrência de fraudes, já que qualquer redução drástica no consumo pode ser percebida e investigada.

Por fim, podemos citar os ganhos para o meio-ambiente, que certamente agradece pelo consumo mais consciente. Não nos esqueçamos que o gás tem sua origem principal em recursos da natureza que, assim como a água, não podem ser desperdiçados. Não se trata de uma fonte inesgotável, que podemos explorar desenfreadamente.

Conclusão

Individualizar o sistema de gás encanado no seu condomínio não deve ser encarado como um custo, mas sim como um investimento. O condomínio certamente sairá ganhando com maior controle de consumo e menos discussões entre os condôminos por conta do consumo de gás.

Além disso, trata-se de uma forma mais justa, já que há pessoas que utilizam o forno caseiro para vender guloseimas, por exemplo. Essas certamente gastarão mais do que as que utilizam o recurso apenas para consumo doméstico. O que dizer então daqueles que almoçam no trabalho a semana toda, e utilizam o fogão apenas aos finais de semana? Nada mais correto do que cada uma pagar o equivalente ao seu uso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.