Instalação de Gases Medicinais: Conceitos Importantes

Cada unidade de saúde tem uma instalação de gases medicinais e vácuo, e o mais comum utilizado é a melhor forma de instalação dos gases medicinais é por meio de tubulações.

As tubulações de gases medicinais devem atender a NBR 12188 e suas especificações.

 

Instalação de gases medicinais - 

 

Nesse Artigo Iremos Abordar:

 

Projetos e Diagrama da Instalação de Gases Medicinais

Componentes do Sistema de Gases Medicinais

Central de Gases Medicinais

Elementos de detecção

Tubulações

 

Projetos e Diagrama da Instalação de Gases Medicinais

 

Desenhos de distribuição dos sistemas de gases são importantes para manutenções, identificações, adaptações, ampliações e testes dos sistemas.

Os documentos devem ser mantidos em local de fácil acesso e localização mostrando as posições dos componentes do seu sistema de gases medicinais.

 

 

Componentes do Sistema de Gases Medicinais

Fonte NBR 12188

instalação de gases medicinais

Alarme:

Dispositivo que emite sinal visual e/ou sonoro para indicar qualquer ocorrência anormal que exija intervenção.

 

Alarme de emergência:

Alarme que indica a necessidade de intervenção da equipe de saúde.

 

Alarme operacional:

Alarme que indica a necessidade de intervenção da equipe técnica.

 

Bateria de cilindros:

Conjunto de cilindros de acondicionamento de gases comprimidos a alta pressão conectados a um coletor antes do bloco central.

 

Bloco central:

Conjunto formado pelas válvulas reguladoras de pressão, manômetros, válvulas de manobra, debloqueio e de retenção, além de outros dispositivos de segurança e de controle.

 

Caixa de seção:

Caixa com janela violável, transparente, suficientemente larga para permitir o manuseio da válvula instalada em seu interior.

 

Central de suprimento:

Conjunto formado pelos suprimentos primário e secundário ou reserva para cada tipo de gás ou vácuo, interconectados de maneira específica, de modo a permitir suprimento contínuo à rede de distribuição.

 

Chicote:

Dispositivo destinado à interligação de cilindros ao coletor.

 

Coletor:

Tubo destinado a conectar os cilindros ao sistema de suprimento por meio de serpentinas, chicotes ou mangueiras flexíveis para conduzir o gás ao bloco central.

 

Dispositivo especial de mistura:

Dispositivo destinado à produção de ar medicinal sintético, a partir de suprimento dos gases nitrogênio e oxigênio.

 

Mangueira flexível:

O mesmo que chicote.

 

Painel de controle de pressão:

Conjunto de dispositivos destinado a controlar a pressão de suprimento de gases.

 

Posto de utilização:

Qualquer um dos pontos de conexão à rede de distribuição nos locais de utilização de oxigênio, óxido nitroso, ar ou vácuo.

 

Ramal:

Derivação da rede de distribuição, que alimenta diretamente um ou mais postos de utilização.

 

Rede de distribuição:

Conjunto de tubulações, válvulas e dispositivos de segurança que se destina a prover gases ou vácuo, através de ramais, aos locais onde existem postos de utilização apropriados.

 

Sistema centralizado:

Conjunto formado pela central de suprimento, rede de distribuição, e postos de utilização destinados a fornecer suprimento contínuo de oxigênio, óxido nitroso, ar e vácuo.

 

Suprimento de emergência:

Fonte de suprimento independente do sistema centralizado, transportável até o local de utilização, pronto para uso, formado por cilindros de oxigênio, óxido nitroso, ar, gerador de vácuo ou compressor de ar.

 

Suprimento primário:

Fonte principal de suprimento à rede de distribuição constituída por bateria de cilindros de gás, ou equipamentos concentrador de gás, ou tanque criogênico, ou gerador de vácuo, ou compressor de ar ou sistema para mistura de gases.

 

Suprimento reserva:

Fonte de suprimento para uso imediato e automático, em caso de falha ou manutenção do suprimento primário e/ou secundário, constituída por bateria de cilindros de gás, ou tanque criogênico, ou gerador de vácuo, ou compressor de ar. Este tipo de fonte não é destinado à operação normal e não entra em rodízio com os demais tipos de suprimento.

 

Suprimento secundário:

Fonte de suprimento para uso imediato e automático em substituição e/ou complementação ao suprimento primário, em sistema de rodízio, constituída por bateria de cilindros de gás, ou tanque criogênico, ou gerador de vácuo, ou compressor de ar.

 

Válvula:

Dispositivo capaz de modificar a pressão e/ou vazão (fluxo) de gases e do vácuo no sistema centralizado.

 

Válvula de alívio de pressão:

Válvula que permite a saída do gás para o exterior caso a pressão no sistema atinja níveis acima do preestabelecido.

 

Válvula auto vedante:

Válvula para o bloqueio automático e imediato da vazão (fluxo) dos gases e do vácuo quando da desconexão de quaisquer acessórios do posto de utilização.

 

Válvula de segurança:

Ver válvula de alívio de pressão.

 

Válvula reguladora de pressão:

Válvula capaz de regular e reduzir a pressão existente na central ou na rede de distribuição a uma pressão compatível com a de utilização.

 

Válvula de retenção:

Válvula que permite a passagem do gás ou vácuo em apenas um sentido.

 

Válvula de seção:

Válvula para bloqueio de vazão (fluxo) de oxigênio, óxido nitroso, ar ou vácuo.

 

Central de Gases Medicinais

 

central de gases medicinais

 

Os cilindros de gás medicinal devem ser protegidos com abrigos não combustíveis. De acordo com a NFPA 99 HealthCare Instalações Código 2012, madeira em locais de armazenamento de cilindros não são mais permitidos. Substituir estrutura com materiais considerados não combustíveis. (Código 5.1.3.2.5)

Os cilindros não podem ser armazenados com maquinário movido a motor, com exceção dos compressores de ar que são as únicas máquinas neste local.

 

Paredes, pisos e Especificações de segurança do teto de incêndio

A localização de sua sala de colector é uma prioridade, tendo em conta os gases que estão contidas no quarto estão sob alta pressão. As paredes, pisos e tetos devem ter um mínimo de 1 hora de resistência ao fogo.

Gases como oxigênio e óxido nitroso, que podem estar contidos no quarto são “oxidantes”, que iria acelerar um incêndio. Mantendo seu quarto colector até o código pode evitar um risco de incêndio.

 

Mangueiras flexíveis

Devem ser instaladas para resistir a pressão de saída dos cilindros, geralmente são de aço inoxidáveis

Inspeções dessas mangueiras flexíveis devem ser regulares nas unidades de saúde.

Essas peças deterioram e devem ser substituídas antes de falhar.

 

Coletor

Para ajudar na prevenção de fugas de gás, os tubos devem ser verificados e feito testes de estanqueidade.

 

As válvulas de retenção

Válvulas de retenção, são componentes que permitem os gases fluirem em uma única direção, são uma medida de segurança importante. Qualquer fluxo de volta irá forçar o fechamento da válvula.

 

Elemento de Detecção

 

Um interruptor de pressão irá detectar quando uma pressão conjunto específico excedeu as suas recomendações. Esses sensores devem estar localizados ao longo de sua linha de gás

 

Tubulações

 

rede de gases medicinais

 

As juntas devem ser soldadas usando uma liga de brasagem forte.

As liga deve ser a base de prata e nunca chumbo

Os materiais mais utilizados são o cobre e aço inoxidável.

O que você achou desse artigo? Qual a sua opinião? Comente abaixo!
Precisa de instalação, manutenção e projeto de rede de gases medicinais em Belo Horizonte ou Minas Gerais?
Entre em contato com a RW Engenharia!

* visita sem custo para região metropolitana de BH

 

Instalação de gases medicinais -

 

ENG. FELIPE WAGNER

felipe-autor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.