Você sabe qual é a função de uma luminária de emergência?    Neste artigo iremos abordar qual é a sua função bem como suas características.

Existem diversos modelos de luminárias de emergência, e é importante saber qual é o recomendada para sua necessidade, para isso devemos considerar pontos importantes da NBR 10898 da ABNT.

Se você quer ter informações que lhe ajudem a escolher a luminária correta para seu sistema de iluminação artigo lhe trará dicas úteis.

 

Nesse artigo você irá aprender sobre:

Qual a função da luminária de emergência?

Quais luminárias de emergência a norma NBR 10898 permite?

Como escolher a melhor luminaria de emergencia?

Função da Iluminação de emergência

Manutenção da iluminação de emergência

 

faca-contato-com-a-rw-engenharia

Qual a função da luminária de emergência?

 

quais-luminaria-de-emergencia-a-norma-nbr-10898-permite

 

A principal função de um sistema de iluminação de emergência composto por luminárias é garantir a iluminação automaticamente e por um período adequado quando a fonte de alimentação normal de energia para a iluminação não consegue fornecer suporte para que as pessoas no interior do edifício possam evacuar de forma segura no caso de uma emergência.

Cada modelo de luminária, portanto, requer algum tipo de um sistema de bateria ou gerador que fornece eletricidade para as luzes durante um apagão.

A intensidade da iluminação deve ser adequada para evitar acidentes e garantir a evacuação das pessoas em perigo, assim como o controle das áreas por equipes de socorro e combate ao incêndio.

 

Quais luminárias de emergência a norma NBR 10898 permite?

 

Os requisitos que a NBR 10898 exige para a escolha da luminária de emergência são:

a) blocos autônomos de iluminação com fonte de energia própria;

b) luminárias alimentadas por fonte centralizada;

c) luminárias com lâmpadas incandescentes, fluorescentes ou outra forma de gerar uma iluminação adequada, desde que a iluminação seja conseguida de imediato, sempre assegurando a radiação da luz na intensidade nominal e no espectro da onda aceitável, durante sua vida útil projetada;

d) projetores ou faróis com proteção ou direcionamento na instalação que não causam ofuscamento;

e) sinalização de saída com lâmpadas flash, com invólucro contendo anteparo leitoso ou translúcido para aumento de superfície radiante;

f) luminárias com lâmpadas fluorescentes;

g) luminárias com LED e outros geradores de luz pontual, que devem ser protegidos por lentes ou anteparos para o aumento da superfície radiante, eliminando o ofuscamento de olhos ou danos à retina do olho pela intensidade da luz direta;

h) os projetores com faróis não podem ser posicionados nas saídas de emergência de forma a impedir, por ofuscamento ou iluminação desfavorável, o deslocamento das pessoas e/ou a inspeção da área pelas equipes de salvamento;

i) existem dois tipos de luminárias, um para indicação de vias de abandono, chamado balizamento e outro de iluminação do ambiente, chamado aclaramento.

Fonte NBR10898/2013 – ABNT

 

Como escolher a melhor luminaria de emergencia

 

luminária de emergência

 

 

Nas iluminações de emergência, geralmente se utiliza LEDs para economizar tempo e dinheiro. Embora o custo inicial seja maior do que outras formas de luz, você a longo prazo irá poupar dinheiro. Lâmpadas de LED utilizam pouca energia, em média, 329 KWh / ano.

Fora os benefícios de economia de energia essas lâmpadas podem durar por cerca de 50.000 horas antes de queimar.

Além disso, na sua fabricação são emitidos bem menos quantidade de CO2 que lâmpadas convencionais e seu descarte no meio ambiente é mais simples..

Outro detalhe que elas são mais resistentes a umidade e variações de temperatura que lâmpadas convencionais.

 

Função da Iluminação de emergência

 

funcao-da-iluminacao-de-emergencia

 

A norma NBR 10898 indica 3 formas de iluminação:

Iluminação de aclaramento

A iluminação de aclaramento é obrigatória para todos os locais que proporcionam uma circulação vertical ou horizontal, de saídas para o exterior da edificação, ou seja, rotas de saída, e que garantam um nível mínimo de iluminamento no piso:

a) 5 lux em locais com desnível (escadas ou passagens com obstáculos);

b) 3 lux em locais planos (corredores, halls e locais de refúgio sem obstáculos).

 

Iluminação para sinalização

A iluminação para sinalização deve assinalar todas as mudanças de direção, obstáculos, saídas, escadas etc, e não pode ser obstruída por anteparos ou arranjos decorativos.

O fluxo luminoso do ponto de luz, exclusivamente de iluminação de sinalização, deve ser no mínimo igual a 30 lumens.

Em áreas com possibilidade de incêndio ou fumaça, propõe-se chamar a atenção para as saídas, utilizando-se adicionalmente pisca-pisca ou equipamento similar, evitando, porém, o ofuscamento da vista pela intensidade pontual, por exemplo, quando a lâmpada de descarga (xênon) não é devidamente encoberta.

 

Iluminação de aclaramento para continuidade de atividade

Nos locais onde, pela natureza do trabalho, não possa haver interrupção da iluminação, deve-se garantir que o nível de iluminamento do sistema não seja inferior a 70 % do nível da iluminação normal (por exemplo, em salas de cirurgia, salas de primeiros-socorros, laboratórios químicos, controle de tráfego em ferrovias e aerovias etc., conforme a ABNT NBR 5413).

Recomenda-se que sejam utilizados sistemas do tipo no-break com tempo de funcionamento adequado ao risco, por exemplo, em salas de cirurgia, centro de tráfego, metrô, trens, salas de primeiros socorros e outros. Devem ser utilizadas luminárias adequadas para a visualização das cores.                                     

 

Manutenção da iluminação de emergência

 

manutencao-em-luminaria-de-emergencia

 

A instalação e o correto funcionamento do sistema devem atender às especificações do manual de instalação e manutenção fornecido pelo fabricante. Qualquer alteração no sistema de iluminação de emergência deve ser realizada por profi ssional habilitado e com materiais que atendam às especifi canções de todo o sistema.

Cada projeto de sistema de iluminação de emergência deve estar acompanhado de memorial descritivo, como também cada equipamento deve ter seu manual de instruções e procedimentos que estabeleçam os pontos básicos de uso, ensaios e assistência técnica.

Em lugar visível, no aparelho instalado, deve existir um resumo dos principais itens de manutenção que podem ser executados pelo próprio usuário, como a verificação das baterias, dos fusíveis ou disjuntores, nível de eletrólito e garantia das baterias a partir da data de fabricação.

Os defeitos constatados no sistema devem ser anotados no caderno de controle de segurança da edificação e consertados dentro de um período de 48 h de sua anotação.

Em quaisquer das situações descritas na seção 9, o controle de manutenção existente deve indicar a periodicidade das verificações e prever os reparos ou trocas dos equipamentos falhos. A existência desse contrato de manutenção deve ser anotada no caderno de controle de segurança.

E Então gostou do artigo? Compartilhe nas redes sociais.

OB:Se precisar de montar seu sistema de gás, ou adquirir o seu medidor, conte com o apoio da RW Engenharia.

 

faca-contato-com-a-rw-engenharia

 

felipe-autor

Uma resposta

  1. Muito bom o conteúdo do seu site. Parabéns por compartilhar conosco seu conhecimento. Obrigado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.